29 de out de 2009

Zebra - Poema 25

ZEBRA

ZELAR PARA QUE NÃO FALTE
ESSE POUCO DE ÁGUA QUE TEMOS
BEBER E USAR SEM ABUSO
REDUZINDO E ADMINISTRANDO O USO
ÁGUA POTÁVEL SEMPRE TEREMOS

Xororó - Poema 24


XÓRÓRÓ
X ILINDRÓ É ONDE MORA
O CRIMINOSO QUE TIRA DA FLORA
R ÉPITEIS E ANIMAIS EM EXTINÇÃO
Ó TIMO É QUANDO O SOFRIMENTO
R EEDUCA E ENSINA AO DETENTO
O VALOR E A NESSECIDADE DA PRESERAÇÃO

Veado - Poema 23

VEADO

V ITIMAS DA EXTINÇÃO
E SSA É A FRASE CORRETA
A PARTIR DE HOJE O SER HUMANO
D EVE MANTER ANO APÓS ANO
O INDESEJÁVEL SINAL DE ALERTA

Uirapuru - Poema 22

UIRAPURU

URGENTIMENTE O HOMEM TENTA
IMPLANTAR A SUSTENTABILIDADE
RECONHECENDO QUE SERÁ LENTA
A REEDUCAÇÃO DA HUMANIDADE
PRESERVANDO O MEIO AMBIENTE
UM FUTURO MELHOR TEREMOS
RECUPERAR E PRESERVAR DAQUI PRA FRENTE
ÚLTIMA CHANCE QUE TEMOS

Tucano - Poema 21

TUCANO

T ODA ESPÉCIE AMEAÇADA
U M DIA SERÁ BENEFICIADA
C OM A LEI DE PROTEÇÃO
A SSIM QUE ESSE DIA CHEGAR
N ÓS TODOS VAMOS CELEBRAR
O TÃO ESPERADO FIM DA EXTINÇÃO

Seriema - Poema 20

SERIEMA

S ERIA BOM QUE O SER HUMANO
E LABORASSE RÁPIDO UM PLANO
R ECUPERADOR E EFICIENTE
I NDEFEZA A FAUNA E A FLORA
E SPERA A PARTIR DE AGORA
M AIS VIDA NO MEIO AMBIENTE
A EXTINÇÃO SERÁ EXTINTA DEFINITIVAMENTE

Raposa - Poema 19

RAPOSA

R ESPEITAR O MEIO AMBIENTE
A NTES QUE O AR QUENTE
P REJUDIQUE MAIS A REPRODUÇÃO
O U ENTÃO O SER HUMANO
S ENTIRÁ A CADA ANO
A UMENTAR MAIS A EXTINÇÃO

Quati - Poema 18

QUATI

Q UEM QUEIMA A VEGETAÇÃO
U M CRIMINOSO É CERTAMENTE
A CENDER FOGO NO MATO
T IRA DE IMEDIATO
I NUMERAS VIDAS DO MEIO AMBIENTE

Porco - Poema 17

PORCO

P ORQUE VOCÊ JOGA LIXO
O NDE NÃO SE DEVE JOGAR
R ESPEITE O MEIO AMBIENTE
C OMEÇANDO DAQUI PRA FRENTE
O PROCESSO DE RECICLAR

Ovelha - Poema 16


OVELHA

O PLANETA ESTÁ MAIS QUENTE
V IVE MENOS BICHO E GENTE
E XTINTA ESTÁ SENDO A FLORA
L EI DE PROTEÇÃO AMBIENTAL
H OJE PARECE SER ILEGAL
A MANHÃ QUEM SABE ELA VIGORA

Nhambu - Poema 15

NHAMBU

N O MEIO AMBIENTE AGORA
H OMEM,FAUNA E FLORA
A CREDITAM NA EXTINÇÃO
M ENOS MORTE E MAIS VIDA
B USCAMOS,TODOS UMA SAIDA
U MA RÁPIDA SOLUÇÃO

Macaco - Poema 14

Macaco

M ENOS ÁGUA E MAIS GENTE
A TERRA CADA VEZ MAIS QUENTE
C ADÊ A TECNOLOGIA E A CIÊNCIA
A O INVÉZ DE IR A MARTE
C OMECE A FAZER SUA PARTE
O UÇA A VOZ DA SUA CONSCIENCIA

Lontra - Poema 13

Lontra
L EI QUE SÓ EXISTE NO PAPEL
O HOMEM CADA VEZ MAIS CRUEL
N OSSO PLANETA ESTÁ EM DECADÊNCIA
T EMPERATURA CADA VEZ MAIS ALTA
R EDUZ AS ESPÉCIES QUE ESTÃO EM FALTA
A EXTINÇÃO É MAIOR QUE A EXISTÊNCIA.

Jacaré - Poema 12

Jacaré

J USTIÇA ESTÁ SENDO FEITA
A NATUREZA NÃO ACEITA
C ERTOS TIPOS DE AGRESSÃO
A GORA É A VEZ DOS SERES HUMANOS
R ECEBEREM POR MUITOS ANOS
E STRAGOS COMO INDENIZAÇÃO


(ATAIDE VIEIRA POETA AMBIENTAL)

Iguana - Poema 11

Iguana

I NUNDAÇÕES ACONTECENDO
G ELEIRAS DERRETENDO
U M PLANETA SUPERQUENTE
A TÉ QUANDO O SER HUMANO
N EGARÁ QUE O OCEANO
A DEUS, OBEDECE SOMENTE


(ATAIDE VIEIRA POETA AMBIENTAL)

Hiena - Poema 10

Hiena

H AVERÁ NUM FUTURO PRÓXIMO
I NÚMERAS ESPÉCIES EM EXTINÇÃO
E SPERO QUE O SER HUMANO
N ÃO DESTRUA E NEM CAUSE DANO
A UMENTANDO ASSIM A REPRODUÇÃO

ATAIDE VIEIRA POETA AMBIEMTAL)

28 de out de 2009

Girafa - Poema 009

Girafa

G ENTE, BICHO E PLANTA
I NSISTE MAS POUCO ADIANTA
R ESPIRAR ESTÁ QUASE IMPOSSIVEL
A TERRA CADA VEZ MAIS QUENTE
F AZ PLANTA, BICHO E GENTE 
A CREDITAR QUE A EXTINÇÃO É POSSIVEL

(ATAIDE VIEIRA POETA AMBIENTAL)

Foca - Poema 008

Foca

F OI UM ATO IMPENSÁVEL
O HOMEM, TENTA JUSTIFICAR
C OM SEDE E SEM ÁGUA POTÁVEL
A GORA QUER PRESERVAR ...


(ATAIDE VIEIRA POETA AMBIENTAL)

Elefante - Poema 006

Elefante

E DUCAÇÃO AMBIENTAL
L ITERALMENTE É A SOLUÇÃO
E SPÉCIES TODAS EM GERAL
F ICAREMOS LIVRES DA EXTINÇÃO
A FAUNA E A FLORA ALCANÇARÁ
N O FUTURO A BIODIVERSIVIDADE
T ERRA MENOS QUENTE PRODUZIRÁ
E M MENOS TEMPO MAIOR QUANTIDADE

(ATAIDE VIEIRA POETA AMBIENTAL)

Dengue - Poema 005

Dengue

D ISFARÇADO DE MOSQUITO
E SSE TRANSMISSOR MALDITO
N OS QUINTAIS FAZ SUA CASA
G ARANTA VOÇÊ A SUA SAÚDE
U SANDO MÉTODOS QUE AJUDE
E RRADICAR SUAS LARVAS


(ATAIDE VIEIRA POETA AMBIENTAL)

Cobra - Poema 004

Cobra

C ADA VEZ FICA MAIS QUENTE
O NOSSO HABITAT NATURAL
B ICHO, HOMEM E PLANTA
R ECLAMA MAIS NÃO ADIANTA
A CULPA É DO AQUECIMENTO GLOBAL

(ATAIDE VIEIRA POETA AMBIENTAL)

27 de out de 2009

Borboleta - Poema 003

BORBOLETA


B OSQUE, MATA E FLORESTA
O QUE RESTOU É INACREDITÁVEL
R IOS, NASCENTES E MANANCIAIS
B AIXANDO CADA VEZ MAIS
O QUE FAREMOS SEM ÁGUA POTÁVEL
L EI DE PROTEÇÃO AMBIENTAL
E XISTE PORÉM NÃO FUNCIONA
T ANTO É QUE DE FORMA I (LEGAL)
A AMAZONIA MORRE E NINGUÉM ACIONA



         ( POETA AMBIENTAL)              

Arara - Poema 002

ARARA

A TERRA ESTÁ PRECISANDO
R ESPIRAR ALIVIADA
A JUDE O MEIO AMBIENTE
R EFLORESTANDO DAQUI PRA FRENTE
A ÁREA QUE FOI DESMATADA

Sustentabilidade - Poema 001

SUSTENTABILIDADE


S utentabilidade tão discutida
U ma meta a ser alcançada
S ociedade buscando uma saída
T oda uma geração preocupada
E laborando e desenvolvendo projetos
N os mais diversos segmentos
T eremos num futuro bem perto
A lcançado um sustentável desenvolvimento
B uscando o equilíbrio ambiental
I ndígenas se organizam também
L eis que agora torna legal
I númeras terra antes de ninguém
D iferentes e importantes organizações
A dimitindo que será inevitável
D eixar de tomar decisões
E m relação a um planeta sustentável
 





                                 (POETA AMBIENTAL)

Estou Chegando

Olá, amigos!

Quero interagir com vocês de maneira direta, falando um pouco de tudo, principalmente sobre as questões ambientais. Vamos ter uma convivência saudável durante muito tempo.