7 de jan de 2010

fazenda santa umbelina- pirapozinho sp

s erás sempre por mim lembrada
a té o dia que eu morrer
n a tua mata fechada
t em uma peroba deitada
a razão do meu sofrer

u m dia fui tão feliz
m as no outro triste fiquei
b astou uma árvore cair
e na tua mata chorei
l embrarei sempre de ti
i menso vale da saudade
n unca se apagará de mim
a trágedia daquela tarde


                                              ATAIDE VIEIRA   (POETA AMBIENTAL)

Nenhum comentário:

Postar um comentário